Época da visita: 30/07 a 02/08/18

 

Para saber algumas informações gerais a respeito da cidade de Urubici, lê este post aqui.

 

Atrações visitadas:

 

  • Morro do Campestre

Também conhecido como Morro da Cruz. Fica em uma propriedade privada e há cobrança de ingresso de R$ 5,00 por pessoa.

Para chegar, pegamos uma estrada de chão a partir de Urubici por 7 quilômetros. Após passar pela porteira onde pagamos o ingresso, subimos o morro por mais alguns minutinhos até o estacionamento. Dali, o restante da subida é a pé, por uns 10 minutos.

É um ótimo lugar para assistir o pôr do sol e por isso visitamos no mesmo dia em que chegamos em Urubici, para aproveitar que o dia estava claro e bonito, apesar do sol já estar bem próximo da linha do horizonte. Subimos o trecho a pé praticamente correndo e chegamos lá em cima esbaforidos 😀 . Foi bem corrido, mas conseguimos assistir o sol se pondo e valeu muito a pena.

Dá para notar que o entardecer é um momento concorrido no local, tendo um bom número de pessoas por lá. Para pegar o local mais vazio e fazer umas fotos legais na formação rochosa, que é bem interessante, o bom é ir mais cedo. Além disso, a vista lá de cima é maravilhosa e deve ficar ainda melhor com o sol mais alto.

morro do campestre

por do sol morro campestre

vista morro campestre

 

 

  • Cascata Véu de Noiva

Fica na mesma estrada que vai para o Morro da Igreja, 11 quilômetros após sair da SC-370. O trecho é asfaltado e estão acontecendo algumas obras, e o pequeno trecho de acesso ao local da cascata é de terra.

Há cobrança de ingresso de R$5,00 por pessoa. Ali também funciona uma pousada, um restaurante e uma loja de lembrancinhas e artesanato.

Do estacionamento até a Cascata Véu de Noiva a caminhada é de menos de 5 minutos em terreno regular, descendo.

cascata véu de noiva urubici

Cascata Véu de Noiva.

 

Seguindo, há uma trilha um pouco mais no meio do mato que leva a uma tirolesa. O proprietário do lugar estava por ali trabalhando e conversou um pouco com a gente, dizendo que está investindo no local e quer implantar uma estrutura melhor de lazer.

cascata véu de noiva trilha

Trilha até a tirolesa.

 

Depois da tirolesa, outra trilha, essa sim mais acidentada e complicadinha, de uns dez minutos. Por ela chegamos na Cachoeira dos Namorados. Muito bonita, principalmente por estar à beira de um cânion estreito e profundo.

cascata namorados

Cachoeira dos Namorado e…

cascata namorados canion

… a beirada do cânion.

 

  • Cascata do Avencal

Tem 100 metros de queda d’água. Fica na mesma estrada do Mirante de Urubici e das Inscrições Rupestres (falei sobre esses dois lugares aqui). O trajeto desde o centro da cidade é de cerca de 7 quilômetros de asfalto e mais 1,5 de terra.

A visita aqui tem uma pequena “pegadinha”. Existem duas propriedades de onde dá para ver a cascata. No primeiro pórtico que chegamos pela estrada, há a cobrança de R$ 5 de ingresso por pessoa, e avistamos a queda d’água a partir de uma plataforma de metal que avança 4 metros sobre o cânion.

cascata avencal 1

Vista desde o primeiro local.

 

Seguindo pela esquerda deste pórtico, chegamos em seguida à entrada do Parque Cascata do Avencal. Este segundo local é bem mais completo, um parque de atividades, com tirolesa, pedalinho, passeio a cavalo e pousada, além de dois mirantes para a cascata. A entrada custa R$ 7 por pessoa e as atividades são pagas à parte.

cascata avencal 2

Vista desde o Parque Cascata do Avencal.

 

  • Serra do Corvo Branco

É conhecido como Serra do Corvo Branco um trecho da SC-370 ligando Urubici ao município de Grão-Pará. Saindo de Urubici, andamos pouco mais de 20 quilômetros em asfalto e, então, mais 5 em estrada de terra até chegar à parte mais impressionante: a porção da estrada que passa entre dois paredões de rocha de 90 metros de altura – na verdade, a rocha foi cortada, sendo o maior corte em rocha já feito até o momento no Brasil.

Quando visitamos, não tivemos muita sorte. Saímos de Urubici com um dia lindo de poucas nuvens, mas exatamente quando entramos no trecho de terra a neblina começou a aparecer e ficar cada vez mais forte. Paramos em uma curva onde havia um recuo e não dava para ver mais do que 10 metros adiante. O Rodrigo ficou no carro preparando o chimarrão e eu fui caminhando para tentar descobrir se os paredões estavam longe, meus olhos foram se acostumando à neblina e comecei a perceber os vultos dos paredões bem ali. Não era o cenário que esperávamos, mas ainda sim foi interessante o clima meio “fantasmagórico” formado pela neblina.

serra corvo branco 1

 

No dia seguinte, estivemos lá novamente e aconteceu a mesmíssima coisa: dia bonito em Urubici e neblina na Serra. Desta vez, percorremos uma parte a pé um pouco maior e chegamos ao ponto onde inicia uma sequência de curvas fechadas da descida da serra. Na primeira curva, um caminhão estava atravessado na estrada, bloqueando completamente a passagem em ambos sentidos. Uma meia dúzia de pessoas estava passando toda a carga desse caminhão para um menor, para deixá-lo mais leve e possibilitar as manobras. 😮

serra corvo branco 2

 

Dizem que descer a Serra do Corvo Branco oferece vistas maravilhosas, mas por outro lado é uma estrada em péssimas condições, cheia de pedregulhos, estreita, e onde ainda pode ocorrer este tipo de contratempo, como neblina forte ou caminhões que não venceram as curvas. 😕 Portanto, muito cuidado.

 

  • Cachoeira da Neve

Fiquei sabendo deste local no serviço de informações turísticas e me interessei, e acabou sendo o mais agradável dentre os que visitamos.

Fica dentro do Sítio Arroio do Engenho, a aproximadamente 5 quilômetros do centro de Urubici (pouco mais da metade do trecho em estrada de terra). O ingresso custa R$ 10 por pessoa. Eles também possuem uma área para camping.

Fomos recebidos por um senhor muito simpático que explicou como era a trilha até as duas cachoeiras e contou um pouco sobre como fica a Cachoeira da Neve em dias bem frios e secos, formando pequenos flocos congelados que se acumulam na base da cachoeira parecendo neve. Deve ser lindo!

A trilha até a primeira cachoeira é de aproximadamente 20 minutos por dentro da mata bem fechada, mas o caminho é tranquilo e super bem sinalizado. Só se escuta o barulho da água correndo no riacho junto à trilha e o canto de um ou outro pássaro. Maravilha!

trilha cachoeira neve

Durante a trilha já dá para avistar a Cachoeira das Araucárias.

 

Na lateral esquerda de quem está de frente para a Cachoeira da Neve há uma escadaria improvisada na pedra que leva à uma gruta justamente atrás da queda d’água. A subida é chatinha, úmida e escorregadia, mas vale a pena.

cachoeira neve urubici

Cachoeira da Neve.

 

Depois, há mais uma trilha de menos de 10 minutos até a Cachoeira das Araucárias, esse trecho sim é um pouco mais difícil porém com cordas para auxiliar nas subidas e descidas do caminho.

cachoeira araucarias

Cachoeira das Araucárias.

 

Em mais de uma hora entre ir, sentar para apreciar ambas cachoeiras e voltar, cruzamos somente com uma mulher e sua filha. Por não ser uma atração tão famosa, poucas pessoas procuram o lugar. Foi justamente isso que me fez gostar tanto de lá, a paz era imensa e o contato com a natureza foi muito intenso.

 

  • Igreja Matriz

A arquitetura desta igreja de Urubici é um tanto diferente, e é a construção que se destaca quando vemos a cidade a partir do mirante na estrada que vem de Bom Jardim da Serra/ São Joaquim. Apesar de não ser imperdível como as demais atrações da cidade, vale a passada por lá em um tempinho que sobrar entre os demais passeios.

igreja urubici

 

 

Atrações que (ainda) não visitamos:

 

  • Morro da Igreja

É de onde se avista a Pedra Furada, o cartão postal mais conhecido de Urubici. Mas… estava com acesso interditado na época em que estivemos lá em virtude de obras de recuperação na estrada. 🙄

pedra furada urubici

Foto de Isadora no Flickr, licença CC BY-NC-ND 2.0.

 

Encontra-se dentro de um parque nacional – Parque Nacional São Joaquim – controlado pelo Instituto Chico Mendes. Quando o acesso está liberado, é necessário pegar autorização para a visita na sede do ICMBio de Urubici (Av. Pedro Bernardo Warmling, 1542). Pode ser feito um pré-agendamento pelo e-mail parna.saojoaquim@icmbio.gov.br, porém esse não dispensa a retirada da autorização. Não há cobrança de ingresso para este local. Para verificar se o acesso já está liberado e obter maiores informações, consultar o site http://www.icmbio.gov.br/parnasaojoaquim/guia-do-visitante.html.

 

  • Trilha do Rio Sete Quedas

Também ouvimos falar deste lugar no serviço de informações turísticas, mas fomos desaconselhados a visitar nesta oportunidade porque a trilha requer muitas travessias por dentro do rio, com a água chegando na altura dos joelhos ou mais. Fiquei muito curiosa em conhecer, pois, como diz o próprio nome, a trilha vai passando por sete diferentes cachoeiras. Parece ser uma excelente opção de programa para o verão. Fica na estrada para o Morro do Campestre.

 


Bom, acho que deu para transmitir a ideia de que Urubici tem uma natureza maravilhosa – eu fiquei encantada! Como já comentei no post anterior, é um ótimo destino para um feriadão ou final de semana prolongado, pois em 3 ou 4 dias dá para aproveitar muito bem as atrações aí de cima e o clima de tranquilidade da cidade.

 

Para quem quiser mais informações sobre o que visitar na cidade, horários, como chegar e etc, há um serviço de informações turísticas no centro de Urubici, no térreo do Sesc (Av. Adolfo Konder, 2543).