27/07/2017

Quase chegando no aeroporto de Palermo, paramos em um posto de gasolina. Já tínhamos enchido o tanque pela manhã, antes de sair de Trapani, e completamos só com o que usamos durante o dia, pois tínhamos que devolver o carro com o tanque cheio. A inspeção da devolução do carro foi bem rápida e sem problemas.

Quase ali em frente ficava o ponto do ônibus que vai para o centro de Palermo. Demos sorte porque assim que embarcamos, ele saiu. Os horários e valores atualizados podem ser consultados aqui: http://www.prestiaecomande.it.

Em 50 minutos descemos na estação central de trens e dali andamos três quadras até o apartamento que alugamos pelo Booking. O Roberto, nosso anfitrião, estava nos esperando e nos mostrou o apartamento e como tudo funcionava.

Saímos para fazer compras no mercado na esquina do apartamento. Quando estávamos terminando de pegar as coisas, os funcionários começaram a nos mandar ir para o caixa, porque o supermercado tinha fechado. Não é que nem aqui, que a gente termina de escolher o que quer calmamente e eles esperam os clientes saírem do estabelecimento, lá eles nos tocam para fora e se a gente não corre para passar no caixa, fica sem as compras. 😀

Demos uma caminhada de reconhecimento pela redondeza, nos informamos sobre onde pegar ônibus no dia seguinte e onde comprar os bilhetes. Voltamos para o apartamento e fizemos nossa janta por lá.

 


28/07/2017

Pela primeira vez usamos o aplicativo Moovit para usar o transporte público. Gostei bastante! Coloquei ponto inicial e ponto final e ele mostrou direitinho onde pegar qual linha, onde descer e onde pegar a próxima. Até os horários e as durações dos trajetos foram bem próximos da realidade.

Compramos bilhetes de ônibus em uma tabacaria e pegamos o ônibus 101 ao lado da estação central de trens. Descemos ao lado do Teatro Politeama e, no mesmo ponto, pegamos a linha 806, usando o mesmo bilhete (ele serve para trajetos de até 90 minutos e deve ser validado no primeiro embarque). Cerca de uma hora depois dessa função toda, chegamos em Mondello.

A praia mais famosa de Palermo, no auge do verão, obviamente estava lotada. As cadeiras e cangas ficavam praticamente coladas umas nas outras, nos ajeitamos onde deu.

mondello 01

Nada mau! 😛

Havia muitas fileiras dessas casinhas aí abaixo, formando diversos corredores entre o calçadão e o mar. As famílias deixam ali tudo que elas utilizam para passar o dia na praia: cadeiras, guarda-sóis, bóias, brinquedos, mesas etc. Quando vão embora, guardam tudo e trancam o seu “depósito” particular, sem precisar carregar tudo de volta para casa. Achei bem curioso.

mondello 03

A faixa de areia que sobra é bem estreita e por isso as pessoas ficam amontoadas por ali. Mesmo assim, gostamos bastante da praia, a água é calma e bem agradável. Passamos a manhã lá.

mondello 02

À tarde, fomos conhecer algumas atrações de Palermo. Novamente o Moovit nos guiou: pegamos o ônibus 806 até o Teatro Politeama e lá pegamos o 108 até a Piazza Indipendenza, em frente ao Palácio dos Normandos.

porta nuova

Porta Nuova, ao lado do Palácio dos Normandos.

O Pallazzo dei Normanni foi originalmente construído durante a ocupação árabe e, posteriormente, ampliado e adaptado pelos normandos.

capella palatina 01

Pátio interno do Palácio dos Normandos e entrada da Capela Palatina.

Sem dúvida, seu maior atrativo é a Capela Palatina, que fica no primeiro andar. Sua decoração interna é repleta de mosaicos, ricos em detalhes e cores, impressionantes. Aqui tem um tour virtual por dentro dela, que já é de encher os olhos: http://www.tour360.eu/panoramiche/cappellapalatina/ . Espetacular!

capella palatina 02

capella palatina 03

No segundo andar, alguns ambientes do palácio estão abertos para visitação, entre eles a Sala de Hércules, que atualmente sedia a Assembleia Regional Siciliana.

pallazzo normanni

Sala de Hércules.

Saindo de lá, andamos até o Mercado Ballarò. Muitas das bancas já estavam fechadas ou vazias, mas deu para ter uma boa ideia de como é.

ballaro

Fomos até a Fontana Pretoria, também chamada de Fontana della Vergogna (Fonte da Vergonha) por causa de suas estátuas nuas. Muito bonita!

fontana vergogna 01

fontana vergogna 02

Já passava das 18 horas, ou seja, muitos do lugares que poderíamos visitar estavam fechados (uma pena as coisas não fecharem mais tarde, já que só anoitece perto das 21h nesta época). Queríamos conhecer a igreja de Santa Maria dell’Ammiraglio (também conhecida como La Martorana), apontada como uma das igrejas mais bonitas de Palermo. Já que ela fica a poucos passos da Fontana Pretoria, fomos até ali para ver pelo menos sua fachada.

martorana 01

Para nossa sorte, estava acontecendo um casamento e a igreja estava aberta. Não deu para ficar transitando e olhando cada detalhe, mas deu para ver que, de fato, ela é linda.

martorana 02

Casório rolando na Santa Maria dell”Amiraglio.

Outra igreja que fica ali bem perto e que por fotos parece ser maravilhosa é a Chiesa del Gesù, mas não deu para conhecê-la. Fica a sugestão para quem for visitar essa parte da cidade.

Ainda passamos por I Quattro Canti, um cruzamento de ruas onde cada esquina é decorada com estátuas e pequenas fontes.

quattro canti

Novamente fizemos janta no apartamento e ficamos por lá. Apesar do apartamento ser excelente, a região ao seu redor não é das mais convidativas e os restaurantes próximos não eram nem um pouco atraentes (além, claro, de adorarmos cozinhar com produtos locais e economizar fazendo isso 😉 ).


29/07/2017

Fizemos um bate-volta a Cefalù (já contei aqui).

 


30/07/2017

Último dia dessa nossa jornada italiana… 😥

Nosso voo era no final da tarde, e nosso anfitrião foi muito legal (aliás, ele foi muito legal o tempo todo) e nos deixou sair dos apartamento às 16 horas. Para aproveitar esse tempo, o que fizemos? Uma coisa que fizemos bem “pouco” durante essa viagem: curtir praia! Hehehe! 😀

Novamente fomos para Mondello. Pleno domingo, ou seja, estava ainda mais cheio do que na primeira vez. Nos instalamos em frente a uma das “casinhas” que estava fechada, mas depois de um tempo chegou a dona do pedaço e, de maneira super educada, pediu para sairmos. Nos enfiamos no meio da galera, em um pequeno espaço disponível, e nossas últimas horas de praias sicilianas foram ótimas.

Voltamos no apartamento, almoçamos e pegamos o ônibus das 16 horas para o aeroporto. Depois de feito o check-in, comemos mais um cannolo siciliano para nos despedirmos. O voo saiu no horário.

Meu professor de italiano diversas vezes disse que os italianos são muito supersticiosos. Um fato bem interessante é que eles têm pavor dos números 13 e 17, por exemplo, os complexos com diversas salas de cinema pulam da sala 12 para a 14 e da 16 para a 18. Mas nada como ver isso ao vivo. No voo de Palermo para Roma, com a empresa Alitalia, vi que simplesmente não havia as fileiras 13 e 17! Parei para olhar melhor, eu podia estar me enganando, mas não! Depois da 12 vinha a 14, e depois da 16 vinha a fileira 18! Que engraçado!

Dormimos em um hotel junto ao aeroporto Fiumicino, pois nossos voos saíam cedinho da manhã. E assim foi-se nossa segunda vez na Itália! Já estamos pensando em quando será a próxima! 

E quanto à Sicília… ô pedaço do mundo abençoado! Quantos lugares lindos! Quantos povos passaram por lá, deixando um pouco da sua cultura, da sua história, da sua gastronomia… Doze dias foram poucos para conhecer tudo de bom que ela oferece, mas foram suficientes para ficarmos apaixonados… <3 <3 <3

 


 

Alguns gastos (euros):

  • Ônibus Aeroporto-Centro Palermo (bilhete ida+volta): 11,00
  • Bilhete de ônibus válido por 90 minutos: 1,40
  • Ingresso Palácio dos Normandos: 12,00
  • Compras diversas no supermercado (jantas, bebidas e lanches para três dias): 32,00

 


Hospedagem: La Maison Bleue – €120,00 por três diárias.

Nunca ficamos em um apartamento alugado pelo Booking ou Airbnb em que o proprietário tenha sido tão cuidadoso conosco! Todos os detalhes foram pensados para nos sentirmos em casa! Ele deixou diversas coisas para tomarmos café da manhã (cafés, leite, sucos, biscoitos, croissants, manteiga, geleias) e aqueles itens essenciais para cozinhar e que muitas vezes temos que comprar uma embalagem para usar só um pouquinho: sal, azeite, açúcar, vinagre, etc. Além disso, ele ficou disponível pelo Whatsapp para qualquer coisa e foi muito gentil em nos permitir fazer o check-out mais tarde, já que ele não tinha reservas para o mesmo dia. O wi-fi funcionou perfeitamente bem. O apê é amplo e o quarto tem ar-condicionado. Fica a um pulo da estação de trens, ou seja, colado ao ônibus do/para o aeroporto e com várias linhas de transporte público para vários pontos da cidade.