Deslocar-se do Brasil ao Japão toma praticamente dois dias por trecho, isso sem contar um eventual stop-over. Seria uma pena encarar todo esse tempo de deslocamento e, ainda por cima, um fuso horário doze horas à frente do nosso, para ficar uma semana ou 10 dias. Eu diria que com duas semanas inteiras no país já dá para conhecer muita coisa legal e ter um bom panorama de como é o “mundo” naquelas bandas. E, claro, tendo mais tempo, melhor ainda – foi o que fizemos. Segue o resumo da nossa viagem e o nosso roteiro de três semanas pelo Japão.

 

ROTEIRO

1 – Chegada em Osaka (aeroporto de Kansai). Após check-in no hotel, passeio pela região de Dotonbori.

2 – Castelo de Osaka; Templo de Nambayasaka; Kuromon Ichiba Market.

3 – Bate-volta para Nara. À noite, Dotonbori.

4 – Trem para Himeji. Visita ao Castelo de Himeji. Trem para Hiroshima.

5 – Ilha de Miyajima; alguns pontos turísticos de Hiroshima (Domo da Bomba Atômica e arredores).

6 – Castelo de Hiroshima. Trem para Kyoto. Após check-in na hospedagem, passeio pela região de Gion.

7 –  Templo de Kiyomizu-dera e arredores; Templo de Fushimi Inari.

8 – Templo do Pavilhão Dourado; Floresta de Bambus de Arashiyama e templo Tenryuji; Ginkaku-ji.

9 – Castelo de Kyoto; passeio noturno por Gion e visita ao templo de Yasaka iluminado.

10 – Trem para Gero. Passeio pela cidade e hospedagem no ryokan.

11 – Trem para Takayama. Centro histórico; vilarejo de Hida no Sato.

12 – Centro Histórico de Takayama; bate-volta a Shirakawa-go.

13 – Trem para Kanazawa. Distrito de Nichi Chaia, jardim Kenrokuen e bairro de Higashi Chaya.

14 – Mercado de peixes Omicho e Castelo de Kanazawa. Trem para Tokyo. Passeio pela região de Akihabara.

15 – Parque Ueno e Museu Nacional de Tokyo; bairro de Ginza.

16 – Bate-volta a Nikko.

17 – Cruzamento de Shibuya, rua Takeshita, parque Yoyogi e Santuário Meiji, Tokyo Metropolitan Government Building e região de Shinjuku.

18 – Região de Odaiba: Museu Miraikan e Mori Building Digital Art Museum.

19 – Bate-volta a Kawaguchiko.

20 – Templo Senso-ji e região de Asakusa; repeteco em Akihabara; subida à Tokyo Sky Tree.

21 – Trem para o aeroporto de Narita e fim desta viagem pelo Japão.

CONSIDERAÇÕES SOBRE O TEMPO EM CADA CIDADE

Osaka
Roteiro de três semanas pelo Japão.

Região de Dotonbori, em Osaka.

2 ½ dias (3 pernoites): essa foi uma cidade que superou minhas expectativas – moderna, bonita, com diversos atrativos, vibrante e organizada (apesar de que chamar uma cidade japonesa de organizada é redundância 😀 ). Separamos um dia cheio para fazer um bate-volta a Nara. O restante do tempo foi para conhecer Osaka mesmo. Felizmente no dia da chegada deu tudo certo e deu para aproveitar a cidade nesse tempinho. Na prática, um dia e meio para Osaka foi justinho e daria tranquilo para ficar mais um. Mas, o problema é: tirar de qual outra cidade? Saldo: manteria exatamente assim.

 

Himeji
Roteiro de três semanas pelo Japão.

Castelo de Himeji.

½ dia: o grande atrativo da cidade é seu castelo, e metade de um dia foi suficiente para conhecê-lo. Ainda deu para dar uma caminhada pelas ruas comerciais entre a estação de trem e o castelo e almoçar por lá. Saldo: manteria da mesma forma.

 

Hiroshima
Roteiro de três semanas pelo Japão.

Domo da bomba atômica, em Hiroshima.

Roteiro de três semanas pelo Japão.

 Torii sobre a água, na ilha de Miyajima.

1 ½ dia (2 pernoites): Hiroshima foi mais uma cidade que superou minhas expectativas. Mas não só isso: Miyajima nos deixou com vontade de passar o dia todo lá. Fomos achando que um turno para Miyajima e outro para Hiroshima era suficiente, mas não é! Saldo: separaria um dia inteirinho para Miyajima e outro dia inteirinho para Hiroshima, indo para Kyoto bem no final do segundo dia.

 

Kyoto
Roteiro de três semanas pelo Japão.

Kinkaku-ji, ou Templo do Pavilhão Dourado, em Kyoto.

3 ½ dias (4 pernoites): se eu dissesse que Kyoto ficou abaixo das minhas expectativas seria um pecado, porque ela é maravilhosa. Mas, de certa forma, eu esperava algo diferente. Três dias completos seriam suficientes para conhecer os locais que estavam no nosso planejamento. Saldo: como comentei aí acima, iria embora bem no final de dia em que estivesse conhecendo Hiroshima, e assim restariam somente três dias inteiros para Kyoto.

 

Gero

1 dia (1 pernoite): Gero entrou no nosso roteiro por causa do ryokan onde nos hospedamos. A cidade é uma gracinha, à beira de um rio e encravada entre montanhas. Mas a proposta da passagem por lá foi aproveitar mesmo a hospedagem, então o passeio pela cidade foi curto. Saldo: se desse para encaixar o ryokan em alguma outra cidade, cortaria esse um dia em Gero, caso contrário, manteria.

 

Takayama
Hida no Sato.

 Vila de Hida no sato, em Takayama.

2 dias (2 pernoites): a princípio apenas um dia em Takayama estava no roteiro, mas surgiu a oportunidade de vermos um evento em Shirakawa-go (localidade próxima) no dia posterior ao planejado e tivemos que prolongar a estadia lá para poder aproveitá-lo. Saldo: um dia é suficiente para conhecer o principal de Takayama e eu passaria esse segundo dia para Kanazawa.

 

Kanazawa
Kenrokuen.

 Jardim Kenrokuen, em Kanazawa.

1 ½ dia (1 pernoite): esta cidade tem bastante coisa interessante. Foi um pouco corrido para vermos o que queríamos. Saldo: dois dias cheios seriam o ideal para essa cidade, usando o dia que tivemos que passar para Takayama.

 

Tokyo
Roteiro de três semanas pelo Japão.

 Região de Akihabara, em Tokyo.

6 ½ dias (7 pernoites): cidade incrível! Com muitas atrações e muitas possibilidades de bate-volta. Deu para aproveitar bem a cidade, conhecer muita coisa legal, fazer dois bate-voltas, e ainda assim ficou coisa de fora. Saldo: essa quantidade de tempo em Tokyo foi apropriada, mas tendo mais tempo dá para ficar mais, tranquilamente.

 

OBSERVAÇÕES
  • a ordem mais lógica dessa viagem, geograficamente, seria: Hiroshima-Himeji-Osaka-Kyoto-Gero-Takayama-Kanazawa-Tokyo. Quando compramos nossas passagens, incluir um trecho aéreo para Hiroshima encarecia absurdamente o seu valor. Mas fica a sugestão.
  • a ordem contrária do trecho que mencionei acima, por óbvio, pode ser feita. Entretanto, gostei muito de ter deixado Tokyo para o final da viagem. Ter passado duas semanas em cidades não tão grandes antes de chegar lá facilitou um tanto as coisas.
  • nossa viagem foi durante o inverno japonês. A combinação frio+vento, bem comum lá, realmente desgasta depois de algumas horas de passeio ao ar livre, e um roteiro para o inverno precisa de muitas atrações em ambientes fechados na programação. Para viagem em outras épocas, sugiro reservar mais tempo para curtir parques e ambientes ao ar livre.
  • alguns dias da nossa programação podem dar a ideia de que fizemos pouca coisa, mas recomendo fortemente não programar muitas coisas por dia:
    • Em primeiro lugar, porque a falta de familiaridade com o funcionamento das coisas nos demanda mais tempo: desde comprar um tíquete para o metrô, achar a plataforma correta do trem, pedir um prato no restaurante, escolher um produto no mercado, e por aí vai.
    • E, em segundo lugar, porque tudo o que tem no caminho entre uma atração e outra, por mais simples e corriqueiro que possa parecer, vai ser uma atração à parte: o comportamento e os hábitos dos japoneses, o supermercado, os produtos das lojas, as vitrines, os letreiros, o trânsito, etc, etc.. eu poderia citar mil coisas. Acredita: tu vais querer parar para olhar com mais atenção alguma coisa a todo o momentoe isso acaba sendo a melhor coisa da viagem!

 

Em resumo, é isso. Espero que o nosso roteiro de três semanas pelo Japão possa servir de base ou de inspiração para a tua viagem! 🙂

Recomendo ler também o post sobre os Preparativos de viagem ao Japão.

 


Se tiveres alguma dúvida ou algo acrescentar, fica à vontade para comentar! 😉