05/08/2018

O roteiro Caminhos de Pedra estende-se por aproximadamente 10 quilômetros na Estrada para São Pedro, a 15 minutos de carro do centro de Bento Gonçalves. A proposta do lugar é proporcionar ao visitante uma interação com a herança da imigração italiana do final do século XIX, através da arquitetura, do artesanato e, principalmente, da gastronomia.

A estrada é, de fato, uma localidade onde viveram os imigrantes. No final da década de 80, iniciou-se um trabalho de restauração dos casarões que resistiram à passagem do tempo, não só com intuito de transformar o local em atração turística, mas também como um resgate do patrimônio histórico e cultural.

Um dos marcos na história do roteiro Caminhos de Pedra foi a utilização da Cantina Strapazzon como cenário para filmagens do filme “O Quatrilho”, lançado em 1995, o que contribuiu para atrair os olhares do meio turístico.

Estive pela primeira vez no Caminhos de Pedra em 2009, e agora, em 2018, depois de ter visitado mais outras três ou quatro vezes nesse meio tempo. Chama muito a atenção o quanto o local se desenvolveu, a quantidade de atrações novas e o quanto o número de visitantes aumentou. Fiquei impressionada com a quantidade de carros, ônibus de excursões e pessoas transitando. Vários estabelecimentos que antigamente tinham entrada gratuita, como por exemplo a Casa da Ovelha ou a própria Cantina Strapazzon, hoje cobram ingressos. E isso é perfeitamente compreensível, pois seria inviável manter a visitação gratuita – mantendo a qualidade – para a quantidade de gente que passa por lá atualmente.

Hoje, são mais de 20 estabelecimentos, entre restaurantes, lojas de produtos coloniais, tecelagens, artesanatos e vinícolas, entre outros.

A primeira novidade (para mim) dessa visita de agosto de 2018 é que agora há um posto de informações turísticas funcionando logo no início do roteiro, junto ao posto de gasolina no começo da Estrada Barracão. Pegamos ali um mapa atualizado e a funcionária explicou sobre diversos estabelecimentos, dando inclusive os valores das visitações.

A seguir, paramos junto à Casa dos Doces. Nem entramos na loja, estávamos interessados no Mirante da Cascata, logo ao lado, de onde temos uma bonita vista para o entorno da região e para uma queda d’água, como o próprio nome já diz.

mirante caminhos pedra 1

mirante caminhos pedra 2

 

Após, paramos na Casa Righesso, onde hoje funciona o restaurante Casa Ângelo. Conhecemos o interior dessa casa quando ainda funcionava no térreo uma salumeria. É uma construção muito bonita, por dentro e por fora, mas vale a parada nem que seja para ver somente sua parte externa, que é, na minha opinião, uma das mais bonitas do Caminhos de Pedra.

casa righesso

 

Passamos na lojinha da Casa da Ovelha. Há muitos itens de produção própria tanto com o leite quanto com a lã do animal – os queijos, por exemplo, são maravilhosos! Na primeira vez que visitamos, o acesso era livre e podíamos ver as ovelhas no cercado dos fundos do estabelecimento e passar a mão nos filhotinhos. Porém, faz alguns anos já que o espaço passou a ser uma espécie de parque de atrações, com ingresso pago e uma programação de atividades relacionadas à criação, ordenha, pastoreio e etc. Informações sobre ingressos e horários de funcionamento no site oficial: http://www.parquedaovelha.com.br/.

casa da ovelha

 

A Casa das Massas e Artesanato é parada certa nas nossas visitas, sempre compramos no mínimo um tipo de massa caseira e um pão assado na palha de milho. A variedade de produtos é grande, as coisas são gostosas e sempre somos atendidos com muita simpatia.

casa massas

Casa das Massas e Artesanato.

 

Logo ao lado fica o Porão de Pedra (artigos em pedras preciosas), colado nesse fica a Casa de Tecelagem (produção de peças em teares manuais) e, quase em frente, o Restaurante Casa Vanni.

porao de pedra

Porão de Pedra e Casa da Tecelagem.

casa vanni

Restaurante Casa Vanni.

 

Passamos na Casa das Cucas Vitiaceri, que tem cucas deliciosas. Tem algumas mesas para fazer um lanche ou tomar um cafezinho, mas achei legal mesmo a proposta do piquenique: o cliente escolhe uma cesta entre algumas opções (variam os produtos e o número de pessoas servidas), eles colocam um edredom sobre o gramado ali em frente (um bom espaço , até com laguinho) e aí é só aproveitar.

Chegamos na Casa da Erva Mate. É legal de visitar pelo menos uma vez (nós já havíamos feito a visitação em outra oportunidade), pois eles mostram a produção artesanal da erva. A visita se complementa na loja logo em frente, onde eles ensinam, a quem quiser, a fazer o chimarrão, além dos vários produtos gauchescos à venda.

casa erva mate

 

No ponto mais distante do roteiro, visitamos a Casa da Confecção, que tem no pátio esta pipa aí abaixo, transformada em uma casinha. Ela era realmente usada para armazenamento de vinho e tinha capacidade para 140.000 litros.

casa do queijo

 

Ainda ali, tem a Casa do Queijo – provamos alguns e são bem saborosos – e nos fundos uma casa que foi montada para simular um estábulo, com uma vaquinha de madeira (fica escorrendo “leite” das suas tetas 😀 ).

casa queijo

 

No retorno, paramos na Cantina Strapazzon. A visita guiada vale a pena e inclui a degustação de vários produtos artesanais (vinho, suco, salames, queijos), mas passamos por lá só para rever o belo local e bater algumas fotos.

cantina strapazzon

Casa de pedra da Cantina Strapazzon.

 

Era nossa intenção finalizar o passeio almoçando no Restaurante Nona Ludia, que adoramos. Eles servem um rodízio maravilhoso de galeto, massas e outras “italianices”, e para completar a experiência, funciona dentro de uma linda casa de pedra. Porém, depois de ter passado alguns dias em Bento Gonçalves, já estávamos empanturrados de tanta comida e vinho. 😛

Paramos na Salumeria Caminhos de Pedra. Depois da degustação inclusa no ingresso, pegamos uma tábua de frios e uma taça de espumante. Junto à salumeria, funciona o Caminho da Aventura Parque, que possui algumas atividades como tirolesa e arvorismo. Consumimos nossa tábua ali mesmo, em uma mesa ao ar livre, e assim finalizamos essa visita ao Caminhos de Pedra.

caminho aventura parque

 

É um passeio muito agradável de se fazer, em meio a bastante natureza, e as construções antigas complementam o cenário. Recomendo ir com “espaço no estômago”, pois muitas das visitas incluem degustações, além das muitas opções de lugares ótimos para lanchar ou almoçar. Dá para aproveitar muito bem em um turno, como fizemos, ou preencher um dia inteiro, dependendo das atividades escolhidas.

Para mais informações sobre o roteiro, sua história e estabelecimentos com visitação, segue o site oficial: http://www.caminhosdepedra.org.br/.