26/07/2016

Bem cedinho chegamos em Cusco. Na saída da rodoviária aquela negociação básica com alguns taxistas até encontrar um que aceitasse nos levar até o hostel pelo preço que achávamos justo.

Chegamos no hostel Mama Simona ainda muito cedo para o checkin. Na verdade, era cedo para qualquer coisa, pois não era nem oito da manhã ainda. Colocamos nossas bagagens no armário do hostel e ficamos um tempo ali usando o wifi e tomando o chá de coca que fica quentinho à disposição dos hóspedes.

Saímos para procurar um lugar para tomar café da manhã. Vimos que a cidade já estava bem movimentada. Na Plaza de Armas tinha um palco e uma arquibancada montados, indicando que ia rolar algum evento ali.

Encontramos um lugar que vendia uns salgados e coisas de café da manhã. Estava bem friozinho e decidi tomar um chocolate quente para me aquecer. Credo! O pior chocolate quente da vida! O chocolate não dissolvia no leite de jeito nenhum, e ainda por cima era um troço amargo. Eca!

Demos uma caminhada pelos arredores do Centro Histórico, fazendo um reconhecimento do local: mercados, casas de câmbios, agências de turismo etc. A essa altura, a Plaza de Armas estava bombando! Eram desfiles e festividades ligadas às Festas Pátrias. Corporações militares, escolas, grupos variados desfilando. Demos uma caminhada por ali, a título de curiosidade, mas resolvemos sair da muvuca e fomos para o Mercado San Pedro.

plaza armas cusco

Plaza de Armas bombando.

Bancas e mais bancas de artesanato, tudo muito bonito e colorido. E com bons preços também. Olhamos os restaurantes para ver se haveria boas opções para almoçar depois, mas nada nos chamou a atenção. Saindo do mercado vimos umas senhoras vendendo empanadas, e isso acabou sendo o nosso almoço.

mercado san pedro

Entrada do Mercado San Pedro.

Fomos para o hostel finalmente fazer o checkin e largar as coisas no quarto. Pegamos informações sobre um walking tour para fazer à tarde. A ideia nesse dia era fazer uma programação bem light, pois não sabíamos como reagiríamos à altitude (Cusco está a 3400 metros do nível do mar).

Aproveitamos o tempinho antes do walking tour começar para ajeitar outras coisas. Levamos roupas para uma lavanderia quase ao lado do hostel, trocamos uns soles em um câmbio e fomos ao escritório de turismo da Calle Mantas (bem pertinho da Plaza de Armas) para comprar o boleto turístico da cidade.

O boleto turístico de Cusco pode ser de 1 ou 2 dias, com diferentes atrações e custando 70 soles, ou o que engloba muitas atrações, vale por 10 dias e custa 130 soles. Mais informações em http://www.cosituc.gob.pe/tarifario.html.

Demos uma olhada também em algumas agências para marcar um tour para o dia seguinte. Vimos que o preço era meio padrão, escolhemos uma que nos atenderam bem e agendamos.

O walking tour partia da Plaza Regocijo às15h30. Essa praça também estava cheia de gente, barracas de comida, palco com gente discursando e cantando, uma confusão. Chegamos ali umas 15h15 e nada da gente avistar o guia com o colete amarelo. Já era praticamente 15h30 quando achamos o cara. Já havia um grupinho, mas ainda esperamos mais um pouco algumas pessoas aparecerem e em seguida iniciamos.

Acho essa proposta dos free walking tours muito legal. Conhecer um lugar a pé, com um guia local contando muito sobre a cultura, história e curiosidades que só quem mora na cidade conhece.

Passamos pela Plaza de Armas (as celebrações já tinham acabado) e ouvimos sobre a história do Manco Capac, o primeiro inca. Subimos uma ladeira bem íngreme (notamos uma pequena falta de ar) e passamos em frente ao Museu Inca, até a Plazoleta de las Nazarenas. Bom, a primeira ladeira foi íngreme mas curta, aqui o bicho pegou pois era uma rua íngreme e comprida. A galera foi subindo quase que rastejando eheh.

manco capac

Manco Capac, no centro da Plaza de Armas.

ladeira cusco

Subir essa ladeira aí, a 3400m acima do nível do mar, não é moleza!

Lá em cima conhecemos o Museu de Plantas Sagradas. Ficamos um bom tempo ali ouvindo as explicações do guia sobre diferentes tipos de vegetais, frutos e ervas típicos (alguns inclusive alucinógenos), foi muito interessante. Enquanto estávamos no pátio do museu entrou uma alpaca e começou a comer a grama dali, depois de uns minutos apareceu a sua dona e levou a fujona embora.

alpaca

Alpaca fujona.

Subimos mais um pouco até a Igreja San Cristobal, de onde se tem uma bonita vista da cidade. Dali dá para ter a noção que realmente Cusco se encontra em um vale cercado por montanhas.

viva el peru

Assim como de manhã estava frio, de tarde a temperatura subiu muito. E da mesma forma, assim que o sol se pôs a temperatura despencou de novo. Isso se repetiu em todos os dias em que estivemos em Cusco. É recomendável vestir-se em camadas e estar preparado para durante a tarde ficar de camiseta e até mesmo bermuda, mas no início da manhã e à noite, calça, casaco, manta e gorro.

Passeamos por diversas ruazinhas do bairro de San Blas. Tudo muito bonitinho, ruas estreitas, chão de pedras… Muitas pousadas, restaurantes e lojas. Conhecemos a Pedra dos Doze Ângulos, um exemplo muito significativo da capacidade dos incas em encaixar as pedras com perfeição em suas construções (eles não usavam nenhum tipo de liga entre as pedras e ainda por cima, suas construções eram antissísmicas!).

pedra doze angulos

Pedra dos doze ângulos.

Finalizamos o tour em uma loja de artigos de lã. Nos mostraram a diferença entre as peças de lã de ovelha e de alpaca. Cada pessoa ganhou um chaveiro de mini-lhama, coisa mais bonitinha, e por fim o guia passou uma caixinha para que todos colocassem suas gorjetas pelo passeio (o “free” do Free Walking Tour não significa que seja de graça, mas sim que cada pessoa está livre para pagar o que achar justo).

À noite olhamos algumas opções de restaurantes na Calle Plateros, acabamos comendo uma pizza e algumas cervejinhas no restaurante Pacha Mama.

Alguns gastos (soles):

  • Café da manhã para dois: 21
  • Lavanderia (quilo de roupa): 3
  • Boleto turístico: 130
  • Janta para dois: 39

Hospedagem: Hostal Mama Simona – USD 118 (PEN 388) por quatro diárias.

Quarto com um beliche e com banheiro, camas confortáveis. Café da manhã incluso, simples e bom. Área comum grandinha, com sofás. Cozinha disponível. O wi-fi não pegava no quarto, tínhamos que usar na área comum. Diversos armários para quem quiser deixar a bagagem antes ou depois da hospedagem (leve o seu cadeado), e se os armários estão cheios, eles permitem deixar no escritório. Há empréstimo de secador de cabelos (muito importante no frio de Cusco!). Chá e folhas de coca à vontade para os hóspedes, o dia inteiro.